sábado, 26 de novembro de 2011

A história do Santuário de N. Srª da Conceição, Araruna - PB

Santuário de N. S. da Conceição, Araruna - PB.
 Fonte: http://pastorais.paroquiadeararunapb.com/

Em virtude da comemoração ao dia de Nossa Senhora da Conceição, no  dia 08 de dezembro, manifesto em nosso trabalho o interesse de divulgar a rica história do Santuário de Nossa Senhora da Conceição, edificada na cidade de Araruna - PB, templo religioso onde se encontram dos mais belos traçados arquitetônicos ao deposito de fé e devoção da brava gente paraibana,  sendo considerada  pelo Iphaep - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba, uma obra de referência histórica "do mais alto valor para arquitetura religiosa da época".

A ausência das torres laterais, certamente conferem uma singularidade a esta matriz, além das reduzidas proporções de seu frontispício, que de certa forma, lhe dão um aspecto de edificação da arquitetura civil, e não exatamente a de um templo religioso, notadamente lembra muito edificações como palácios ou teatros, esta excentricidade rara, dá ao Santuário N. S. da Conceição mais motivos para cativar em seus observadores fontes de admiração,  é sem dúvida um cartão postal a ser memorizado, e sempre requisitado ao se lembrar  das "coisas de Araruna".

Igreja Matriz  com a presença dos contrafortes de sustentação em 1938.
Fonte: Acervo fotográfico de Humberto Fonsêca de Lucena

Certamente uma das paisagens típicas das cidades de interior, sobretudo as menores e mais singelas, é de uma igrejinha em fronte uma pracinha, no caso específico de Araruna, discordamos um pouco deste pensamento, situamos um belo exemplo da grandiosidade de uma edificação humana, a esplendorosa matriz desta cidade, que segundo a Arquidiocese da Paraíba, é o segundo maior templo religioso (católico) em nosso estado, perdendo em poucos centímetros para Matriz de Nossa Senhora das Neves em João Pessoa - PB, tendo sido palco de diversas manifestações, que marcaram desde 1876 data de inicio da construção da matriz, a história deste município e da região. 

A Matriz de N. S. da Conceição, encontra-se localizada no sítio histórico do município de Araruna - PB, na rua Semeão Leal, nº 122, ao lado da Praça João Pessoa, cerca de 250 metros da antiga Capela de Santo Antonio, sentido sul-norte, por toda sua imponência destaca-se no aglomerado urbano da cidade, e por sua centralidade se torna por muitas vezes ponto de referencia, sendo forte definidora de espaçamento geográfico e urbano.

Igreja Matriz em 1955.
Fonte: www.casadamemoriaararuna.com/

Como é de conhecimento de todos, o inicio da povoação  de Araruna, se deu após implantação de  uma fazenda de gado e edificação da antiga Capela de Santo Antonio, como pagamento de uma promessa realizada pelo Senhor Feliciano Soares do Nascimento a N. S. da Conceição, além da fixação de um cruzeiro de madeira diante a capela, desta forma se constituiu o primeiro arruado da povoação, iniciada em 1845, que aos poucos foi crescendo de forma lenta e espontânea, até que em 1876, ano de emancipação do município de Araruna , então distrito de Bananeiras - PB, foi construída a Nova Igreja Matriz.

A construção da Matriz iniciou em 1876, com o comando do Padre Rocha e de Frei Herculano, com ajuda da comunidade, conseguindo erguer esta magnifica obra da construção civil, porém sem que se cobrisse a edificação, ficando portanto inacabada. No ano de 1900, na virada do século, o Padre Joel Esdras Lins Fialho continuou a peleja desta construção, de onde contratou no brejo paraibano o mestre César (portas e esquadrias) e o mestre Garcia (altar-mór e alvenaria), que ficaram responsáveis pelo término da obra, que só viria se concretizar em 1907, com o Padre Francisco Targino no comando da Paróquia, concluindo a fachada e os acabamentos internos.

Demolição do altar-mór em 1954.
 Fonte: www.casadamemoriaararuna.com/
Interessante o fato que por mais grandiosa que seja a Matriz de Araruna, em tamanho e imponência aos tempos de hoje, quanto mais considerando a época de sua construção, existia por parte da população ararunense uma aversão pelas proximidades da mesma, nos rumos de construções de moradias próximos a ela, onde havia uma vontade maior de se permanecerem em expansão as áreas em proximidade a antiga Igrejinha de Santo Antonio, de onde estavam lá encontrados o comércio e demais serviços urbanos.

Contam os mais antigos que a Nova Matriz ficava isolada e apenas era ligada ao resto do aglomerado urbano através de picadas abertas na mata, e acendimento de tochas flamejantes, para deslocamento da população e posterior acesso as missas. Este isolamento ocorreu entre os anos de 1876 e 1908, e apenas encerrou com a construção do Mercado Público (atual Centro Cultural),  trazendo uma nova roupagem na economia do município, sendo divisor de águas de nossa história.


Igreja Matriz antes da reforma de 2000. Fonte: mais.uol.com/

Durante este período de existência a Matriz de Araruna, já passou por diversas modificações em antigas reformas, que embora realizadas com uma boa intencionalidade,  acabaram por descaracterizar de forma irreversível todo valor estético, arquitetônico e histórico original da obra, entre estas reformas encontramos  como uma das mais gritantes a realizada entre 1953 e 1955, sobre o comando do pároco Monsenhor Joaquim de Sousa Simões, onde foram removidos da igreja  o altar-mór e os contrafortes das laterais (os famosos "gigantes de sustentação"), que davam um aspecto único e original a matriz, além da demolição  dos pavimentos superiores das galerias laterais. Estas infelizes reformas embora bem intencionadas, acarretaram também a remoção do piso original todo em tijoleira e do púlpito da madeira de cedro.

A Matriz de Araruna encontrou-se em situação deplorável e digna de pena por muitas décadas, onde se viam  infinidades de problemas de ordem interna e externa deteriorarem a belíssima igreja, onde sua beleza estava encoberta pela corrosão do tempo, até que em um gesto louvável no ano de 2000, o governo do estado da Paraíba, através do então Governador José Targino Maranhão,  filho de Araruna, e conhecedor dos entraves da matriz, resolveu salvar a igreja da situação em que se encontrava, e através de força maior inseriu em processo de tombamento a Igreja Matriz de N. S. da Conceição, aos 03 de maio de 1999. 

Uma nova reforma com vistas ao tombamento foi necessária, e realizada pelo governo da Paraíba em 2000, tendo como parceiros o Iphaep e a Fundação Casa de José Américo,  medida melhor não poderia ter sido tomada, e desta forma foi salva da destruição a matriz de Araruna, que no ano de 2001, através do então Bispo da Diocese de Guarabira - PB, Dom Antonio Muniz, foi elevada a Santuário.

Gruta de N. S. da Conceição. Fonte: www.suzukysat.com/

Nesta reforma realizada em 2000, toda a estrutura física da matriz foi reavaliada e revitalizada, detalhes apagados ganharam vida, e por intermédio desta ação ainda hoje vislumbramos o Santuário de N. S. da Conceição bela, interna ou externamente, mas mesmo esta ação causou impactos, com a intenção de se criar uma sacristia, foi quebrado todo altar-mór mais uma vez, perdendo de vez mais uma porção da história do templo, em seu lugar foi colocado um novo  e imperioso altar-mor de madeira, digno de uma grandiosa igreja, mas que não chega a ser tão belo quanto os antigos altares-mór destruídos. 

Com o tombamento, obviamente os párocos ficaram impossibilitados  de realizarem intervenções que alterem o que resta de reminiscencias nos traçados mais antigos do prédio, embora a matriz tenha ultimamente ganhado na gestão paroquial do Padre Nilson Nunes uma nova pintura que realçou e deu uma nova vida a nossa matriz. Atualmente sobre os cuidados do Padre João Firmo o Santuário de N. S. da Conceição, está ganhando uma sobrevida também nos menores detalhes a serem observados minunciosamente no interior da igreja, além da boa vontade do mesmo de zelar e cuidar do patrimônio do povo de Deus.

 Realização da "Santa Missa", aspecto interno da matriz. Fonte: paroquiadeararunapb.com
Realização da "Santa Missa". fonte paroquiadeararunapb.com
Aspecto interno da matriz de Araruna. Fonte paroquiadeararunapb.com
Nestes mais de 150 anos de existência do Santuário da Conceição, a paróquia de Araruna foi administrada por diversos padres, que contribuíram cada um com uma parcela da história viva de nossa matriz, e com a história de fé do povo da Serra de Araruna, alguns numa porção pequena e fragmentada de tempo, exemplo de uma grande proporção de tempo a frente da paróquia está o Monsenhor Joaquim de Sousa Simões, que por mais de 40 anos esteve a frente dos comandos da paróquia.

Em seguida veremos uma relação dos párocos que já passaram pela administração da Paróquia de Araruna,  iniciando com o Padre Pedro Barbosa Freire em 1856 até o Padre João Batista da Silva Firmo nos dias atuais.


  1. Padre Pedro Barbosa Freire - 1856 á 1863;
  2. Padre José Januário Pereira Lima - 1863 á 1865;
  3. Padre Francisco Xavier da Rocha - 1865 á 1882;
  4. Padre Manoel Correia de Souza Lima - 1882 á 1895;
  5. Padre Joel Esdras Lins Fialho - 1895 á 1906;
  6. Padre Francisco Targino da Costa - 1906 á 1919;
  7. Padre Francisco Bandeira Pequeno - 1919 á 1940;
  8. Monsenhor Severino Cavalcanti de Miranda - 1940 á 1952;
  9. Padre Epaminondas José de Araújo - 1952 á 1953;
  10. Monsenhor Joaquim de Sousa Simões - 1953 á 1996;
  11. Padre Francisco de Assis Inácio -1989 á 1993;
  12. Padre Cícero Roberto de Araújo - 1993 á 1996;
  13. Padre Cristiano Muffer - 1996 á 2002;
  14. Padre Nilson Nunes da Silva - 2002 á 2009;
  15. Padre João Batista da Silva Firmo - 2009 aos dias atuais.

Detalhe do Frontispício da Igreja Matriz, após reforma em 2000.
Fonte: A União, Edição comemorativa da restauração da Igreja Matriz de N.S. da Conceição.

Desta maneira, conferimos neste modesto texto a complexidade e importância da Matriz de N. S. da Conceição na   história de nosso município, seja na fé depositada pelo povo ararunense, ou até mesmo pela importância da mesma inserida no espaço urbano  e geográfico de nossa querida Araruna


Wellington Rafael

7 comentários:

  1. Parabéns pelo excelente artigo! Muito bem elaborado e, ao mesmo tempo, muito interessante por retratar fatos que raramente são lembrados ao longo de nosso conhecimento histórico.
    É muito bom saber que ainda existem pessoas como você, que têm grande apreço pelo lugar de origem, divulgando, assim, fatos como esse, que muitas vezes são desconhecidos pela população local.

    ResponderExcluir
  2. Agradeço pelo seu manifesto de apoio as lembranças que fazem parte de nossa história e nossa memória. Forte abraço

    ResponderExcluir
  3. Olá! um ótimo artigo!
    Gostaria de saber se você tem fotos da cidade Araruna e da igreja entre 1890 a 1950, Pois minha avó nasceu lá, sua mãe morreu no parto e a mulher que a criou sempre falou q ela era filha do padre da época, minha avó nasceu em 1930, você tem alguma foto do padre Francisco Bandeira?? ou alguma noticia...
    aguardo resposta

    e-mail; luci.nha.s2@hotmail.com

    Obrigada!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Lucinha, agradeço sua cordial visita, imagens da matriz de Araruna em meados de 1890 desconheço de sua existência, mas acredito que não seriam muito diferentes da ilustrada no artigo com a data de 1938. Fico feliz de seu interesse pelas raízes, e por estas raízes ramificarem em Araruna, lhe enviei por e-mail imagem do Padre Francisco Bandeira. Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Sempre que vejo as antigas fotos da majestosa Igreja Matriz de N. S. da Conceição, lembro do desprezo que "pessoas" sem nível técnico e com desrespeito ao passado remodelam, depreciam, corrompem e matam as feições belas de uma obra prima da arquitetura religiosa de Araruna, de espetacular modo construtivo, talvez único no Brasil. De todas as fotos que eu tenho a noção de ter visto e a que me da mais desprezo, talvez dor no coração é a "Demolição do altar-mor em 1954" que acabo de ver acima. Certamente essas pessoas que posam para a foto não estavam se sentindo bem ao demolir uma obra prima da arquitetura interiorana paraibana, ou talvez, mal entendessem o que de fato acontecia ou o porquê de alguém ter dado tais ordens. Como disse, repetirei: "pessoas sem nível técnico e com desrespeito ao passado" tendem a fazer mudanças mal-vindas ao futuro da sociedade, e quando esta mesma se cala nas mudanças tudo se torna fácil de ser manuseado ao bel prazer de quem apaga o passado e destrói a memória. Como se não bastasse o apagar da memória ter vindo do próprio seio da Igreja com essa desestruturação total da Igreja Matriz na década de 50, ainda veio o Tombamento pelo Governo Estadual em 1999, pelo Decreto nº 20.358, de 03 de maio do mesmo ano que deu margem para que em 2000 o Governo Estadual da Paraíba, com o projeto de "Resgate Histórico, Arqueológico e Arquitetônico da Região do Curimataú" em que o governo juntamente com a SEC, a Subsecretaria de Cultura, do IPHAEP, da SUPLAN e a Fundação Casa de José Américo começaram outra grande reforma na Matriz, dessa vez com o intuito de restaurar e não de voltar às origens do templo. Queria eu que eles tivessem feito a reforma que a Matriz pede voltar às origens, ao que ela foi proposta e feita para os ararunenses, com todo o esplendor de outrora. Falando do modo que estou, parece até que sou um religioso saudosista, enganam-se quem pense tal absurdo! Sou um historiador com foco no presente, sentindo o desrespeito com o trato da sociedade ararunense as coisas boas da vida, com sua memória, com o passado grandioso de uma população sofrida. Penso nas mãos calejadas de todo um povo, a serviço de algo maior para a época. Uma construção grandiosa a serviço de "DEUS" e para "DEUS" deveria durar, ser vista por séculos e séculos por todos que venham a Araruna ou mesmo, nas telas de seus computadores, tablets e ipads, a maravilha de tal construção, de sua beleza interna e de suas arcadas, não esquecendo os magníficos gigantes laterais, coisa rara de se ver hoje em dia. Falhou de todo o modo essas reformas em suas intenções, acertaram os verdadeiros construtores em deixar tal exemplar à sociedade de Araruna. Pena que com o passar dos anos, os ararunenses deixaram corroer essa magnífica construção, a ponto de sucessivas reformas desfigura-lhes sua originalidade.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, eu moro em Brasilia, fui batizada na Igreja de nassa senhora da conceição, entre 1940 a 1952, e gostaria muito de saber quem são os meus pais,isso eu só conseguirei se eu tiver acesso ao livro de batismo.do ano 1947. com essa relação de batizados irei descobrir quem sou.

    ResponderExcluir